Institucional

PDFImprimirE-mail

Apresentação

Fundados em 1991 e 1992, respectivamente, os Colégios Leon Feffer I e II foram criados para atender, prioritariamente, as necessidades escolares dos filhos dos colaboradores da antiga Bahia Sul Celulose S/A, atualmente Suzano Papel e Celulose S/A " SPC.
O Colégio Leon Feffer I está localizado na Rua Pau-Brasil, 310, Jardim dos Eucaliptos, no Distrito de Itabatã, Município de Mucuri, Estado da Bahia.
O Colégio Leon Feffer II está localizado na Rua Oscar Teixeira de Siqueira, número 323, Cidade Nova, Município de Mucuri, Estado da Bahia. É autorizado a funcionar nos termos do Parecer CEE números 147/93 e 072/93, publicado no DOE de 12/01/1994.
Em 1998 os serviços de operacionalização e de funcionamento desses colégios, objeto de licitação realizada pela mantenedora, foram adjudicados ao Centro Educacional Casa do Estudante Ltda.
Os colégios oferecem cursos de Educação Infantil, Ensino Fundamental de 1ª a 8ª séries e Ensino Médio, funcionando nos turnos matutino e vespertino, em regime de externato, para ambos os gênero.
Os colégios têm como objetivo geral garantir ao estudante a formação indispensável dos conhecimentos necessários para desenvolver e exercitar a cidadania e a continuação dos estudos e trazem  como proposta uma Escola de qualidade, democrática e participativa, como espaço cultural de socialização e desenvolvimento do/a educando/a visando também prepará-lo/a para o exercício da cidadania através da prática e cumprimento de direitos e deveres

Objetivos Pedagógicos

Educação Infantil e Ensino Fundamental

Objetivos:

  • Criar meios para que a criança adquira experiências amplas e diversificadas, permitindo-lhe, dentro de suas potencialidades, o desenvolvimento integral e harmonioso.
  • Proporcionar à criança a vivência de atividades de vida social.
  • Estimular a sua capacidade inventiva e suas faculdades criadoras para que a criança possa expressar-se livre e espontaneamente.
  • Gerar condições que possibilitem proteção à  saúde física e mental da criança.
  • Desenvolver no educando a capacidade da aprendizagem, proporcionando-lhe o domínio pleno da leitura, da escrita e do cálculo;
  • Promover a aquisição de conhecimentos cada vez mais novos e atualizados.
  • Incentivar o desenvolvimento de novas habilidades.
  • Estimular a formação de atitudes e reconhecimento de valores.
  • Fortalecer os vínculos familiares e de solidariedade humana.
  • Oferecer meios para que o educando aprenda com eficiência e busque soluções para a vida cotidiana.
  • Estimular a valorização do ambiente natural que  rodeia o educando.
  • Proporcionar meios que conduzam o educando ao interesse pela tecnologia e pelas artes.

Ensino Médio

Objetivos:

  • Desenvolver as capacidades para utilizar os conhecimentos científicos de todas as áreas de conhecimento escolar.
  • Compreender e intervir nas práticas sociais e produtivas presentes em nossa  contemporaneidade.
  • Desenvolver a autonomia de trabalho intelectual e das escolhas éticas.
  • Interagir em diferentes contextos mediados por conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais.
  • Fortalecer os vínculos familiares e de solidariedade humana.
  • Proporcionar meios que conduzam o educando ao entendimento da articulação da ciência e da cultura, envolvendo o universo da ciência contemporânea com os princípios científicos que fundamentam o trabalho em cada área do conhecimento.
  • Integrar-se à comunidade, vivenciando o social.
  • Favorecer a integração do educando à comunidade, vivenciando o social, inclusive participando de estágio curricular supervisionado.

Concepções pedagógicas

Educação

Trabalharemos dentro de uma concepção que vê a educação  como uma prática educativa dentro do processo ensino-aprendizagem com ênfase no aprender a aprender, no saber pensar, no criar e inovar; e no construir conhecimentos, através da participação, de forma cooperativa, priorizando a formação de conceitos e tendo o conteúdo como meio e não como fim.

O papel do professor  é o de, valorizando a construção mental do sujeito, orientá-lo na instrumentalização do próprio aprendizado, fazendo com que o educando crie métodos próprios para organização de sua aprendizagem, sabendo recorrer a múltiplas vias e fontes de saber, com capacidade de selecioná-las e sintetizá-las, além de ser capaz de compartilhar idéias, teorias, e resultados experimentais com outros.

Escola

A escola precisa ser  um ambiente com espaços diversificados para atividades intelectuais, artísticas e esportivas e de lazer, voltado para a construção coletiva do conhecimento com a participação de todos os envolvidos no processo educativo.

Professor

O professor é o  profissional que valoriza a construção mental do sujeito, orientando-o na  construção do próprio aprendizado, fazendo com que o educando crie métodos próprios para organização de sua aprendizagem. Um profissional que busca o aperfeiçoamento constante, dentro de suas possibilidades e oportunidades oferecidas.

Aluno

O aluno é aquele  que sabe recorrer a diversas fontes de saber, com capacidade de selecioná-las e sintetizá-las, construindo seus próprios conceitos, além de ser capaz de compartilhar suas  idéias com outros.

Currículo

O currículo extrapola o “fazer” pedagógico abrangendo elementos como grade curricular, disciplinas, conteúdos e conhecimento. É necessário resgatar os saberes que o/a aluno/a traz de seu cotidiano. Elencado o objeto do conhecimento, este não deve ser trabalhado de forma superficial e desvinculado da realidade. Está enraizada, em nossa ação pedagógica diária, uma metodologia tradicional que entende o conhecimento como um produto pronto para apenas ser repassado, considerando somente a interação unilateral entre professor e aluno. Todavia, é preciso que o objeto do conhecimento seja tratado por meio de um processo que considere a interação/ mediação entre educador/a educando/a como uma via de “mão dupla” em que as relações de ensino-aprendizagem ocorram dialeticamente.

Planejamento

Para planejar, considerando as reflexões anteriores neste documento, o profissional deve mudar sua postura enquanto “homem” e “professor”. Primeiramente é preciso mudar a si próprio para, então, pensar em mudar os outros. Planejar significa, a partir da realidade do estudante, pensar as ações pedagógicas possíveis de serem realizadas no intuito de possibilitar a produção e internalização de conhecimentos por parte do/a educando/a. Além disso, o planejamento deve contemplar a possibilidade de um movimento de ação-reflexão-ação na busca constante de um processo de ensino-aprendizagem produtivo. Portanto, não cabe mais uma mera lista de conteúdos. Deve-se dar ênfase as atividades pedagógicas; o conteúdo em sala de aula será resultado da discussão e da necessidade manifestada a partir do conhecimento que se tem do próprio estudante. Logo, de posse de alguns dados referentes ao conhecimento internalizado pelo/a educando/a, passa-se a reflexão e discussão sobre os conhecimentos historicamente sistematizados. Essa forma permite que professor/a e aluno/a avancem em seus conhecimentos e se constituam como sujeitos reflexivos. A escola deve elaborar, por disciplina, aqueles conteúdos necessários pertinentes a cada série que serão o ponto de partida.

Avaliação

O  papel fundamental  da avaliação é criar subsídios para que o  professor possa  orientar,  intervir para qualificar, criando condições para a efetiva aprendizagem e desenvolvimento de todos e não  apenas o de medir e selecionar, adotamos uma avaliação que tem uma visão de continuidade do processo de aprendizagem e desenvolvimento do aluno, favorecendo a aprendizagem e o desenvolvimento humano de todos, visando a inclusão social.  
A avaliação é uma atividade de acompanhamento e transformação do processo de ensino-aprendizagem, através da observação, análise, registro, reflexão sobre o que foi observado  e registrado, comunicação dos resultados e tomada de decisão para atingir os objetivos que ainda não foram alcançados, ou seja, fazendo diagnósticos, analisando a situação, dando retorno ao aluno de seus limites e seus avanços, e preparando novas atividades que poderão auxiliar o aluno na superação de seus limites e no melhor aproveitamento de suas capacidades.

Caracterização do espaço físico

Colégio Leon Feffer I – Unidade Itabatã

Colégio Leon Feffer II – Unidade Mucuri

 

O Colégio Leon Feffer II tem uma área física de 18 000 m ².
Todas as salas de aula são de alvenaria, com janelas e ventiladores (de teto ou do tipo tufão) para permitir uma melhor ventilação dos ambientes.
Há um laboratório de Informática e um laboratório de Biologia e Ciências.
A unidade escolar dispõe de uma biblioteca que possui um significativo acervo de livros didáticos, paradidáticos, enciclopédias, revistas e jornais, computadores com acesso a Internet  para atender os alunos da unidade, bem como alunos de outras escolas da cidade.
Dispõe também de área para prática de esporte, composta de uma quadra poliesportiva e uma quadra de areia. O pátio, onde acontece o recreio, é coberto.
As construções se dividem em térreas e em dois pisos.